TERRA INDÍGENA EM DISPUTA: A RETERRITORIALIZAÇÃO DOS POTIGUARA NA TERRA INDÍGENA POTIGUARA MONTEMOR/PARAÍBA/BRASIL

Publicado
2020-12-30

    Autores

  • Ivys Medeiros Costa Centro Universitário de João Pessoa - UNIPE. Professora do curso de Administração.
  • Maristela Oliveira de Andrade Professora Titular da Universidade Federal da Paraíba, vinculada ao Departamento de Ciências Sociais e nas pós graduações de Antropologia (PPGA) e em Desenvolvimento Ambiental (PRODEMA)
  • Alicia Ferreira Gonçalves Professora Associada II na Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Ciências Sociais - Programa de Pós Graduação Em Antropologia (PPGA).
  • Maria Elena Martinez-Torres Professora visitante do Programa de Pós Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Professora Titular do CIESAS, Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social do México.

Resumo

A disputa pelas terras ocupadas pelos Potiguara tem se processado em ondas históricas, iniciadas com as invasões coloniais portuguesas no século XVI e a ocupação efetiva do litoral paraibano,  entre 1585 e 1634, com a introdução do plantio da cana-de-açúcar. No século XX, nos anos 1970, novas ondas de ocupação tiveram origem na instalação de complexo industrial têxtil, de agroindústrias sucroalcooleiras. Nos anos 2000, a produção de camarão em tanques, com incentivo do Estado, ocupam porções do território indígena. A partir deste cenário de ocupações sucessivas, o objetivo deste artigo é analisar o processo de reintegração de posse em favor dos Potiguara, em uma disputa de terra que envolveu a família Lundgren, as usinas de cana de açúcar, a Fundação Nacional do Índio, o Ministério Público Federal e o Governo Federal. Esta pesquisa com foco etnográfico consistiu na revisão do estado da arte, realização de entrevistas e mapeamento dos conflitos.  Foi feita a disputa territorial nas Terras Indígenas Potiguara Montemor a partir do movimento de reterritorialização resultante das lutas desse povo indígena. A reconquista das terras foi assegurada pela legislação que protege os direitos indígenas, quanto ao usufruto exclusivo de suas terras e ao respeito de seus costumes e organização política, conforme o art. 231 da Constituição Federal. Por fim, concluiu-se que a resolução duradoura dos conflitos fundiários na TI Potiguara Montemor requer a efetivação da demarcação de suas terras, para garantir seu território, o acesso a políticas indigenistas e mitigar os impactos dos grandes empreendimentos econômicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDRE, Agripa Faria. Políticas de resolução de conflitos socioambientais no Brasil: o papel do Ministério Público e dos movimentos ambientalistas na Ilha de Santa Catarina. Blumenau: Edifurb; Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2003.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 12ªed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

BARCELLOS, Lusival. Práticas educativo-religiosas dos POTIGUARA da Paraíba. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000.

BAVARESCO, Andréia; MENEZES, Marcela. Entendendo a PNGATI: Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental Indígenas. – Brasília: GIZ/Projeto GATI/Funai, 2014.

BRASIL. Decreto 7.747, 05 de junho de 2012. Institui a PNGATI – Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7747.htm>. Acesso em 12/01/2014.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Impressa Oficial, Brasília: DF, 1988.

BRASIL. Estatuto do Índio - Lei nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Brasília: DF, 1973.

CARDOSO, Thiago Mota; GUIMARÃES, Gabriella Casimiro (Orgs.) Etnomapeamento dos Potiguara da Paraíba. Brasília: FUNAI/CGMT/DGETNO/DGAM, Série Experiências Indígenas, n. 2, 2012.

COSTA, Ivys Medeiros da. Terra indígena x terra de usina: legislação socioambiental e fundiária e os conflitos na TI Potiguara Montemor-PB. (Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), no Programa de Desenvolvimento em Meio Ambiente (PRODEMA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa, 2014.

COSTA, Ivys Medeiros da. A gestão participativa em áreas sobrepostas de unidade de conservação e terra indígena: a situação dos Potiguara na Paraíba. (Tese de Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), no Programa de Desenvolvimento em Meio Ambiente (PRODEMA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa, 2019.

GONÇALVES, Alícia. Construindo Mapas Sociais. Subsídios para a elaboração do PGTA Potiguara. Projeto Coex – UFPB, 2019.

GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao estudo do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável Brasil 2010. Estudos e Pesquisas, Informação Geográfica. Número 07. Rio de Janeiro, 2010.

LIMA, Antônio Carlos de Souza; BARROSO-HOFFMANN, Maria. Etnodesenvolvimento e políticas públicas: bases para uma nova política indigenista. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/LACED, 2002.

LITTLE, Paul E. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília, Universidade de Brasília: 2002a. (Série Antropológica)

______ Ecologia Política como etnografia: um guia teórico e metodológico. Brasília, Universidade de Brasília: 2002b. (Série Horizontes Antropológicos)

LUVIZOTTO, Caroline Kraus. Cultura gaúcha e separatismo no Rio Grande do Sul. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. Disponívelm em <http://books.scielo.org/id/kkf5v/pdf/luvizotto-9788579830082-04.pdf> Acessado em 18/10/2019.

MARQUES, Amanda Christinne Nascimento. Território de Memória e Territorialidades da Vitória dos Potiguara da aldeia Três Rios. (Dissertação de Mestrado em Geografia), PPGG/UFPB - João Pessoa, 2009.

MOONEN, Frans. Os índios Potiguara da Paraíba. 2ª ed. Recife: UFPE, 2002.

______ Os índios Potiguara da Paraíba. 2ª edição digital aumentada. Recife: UFPE, 2008.

MOONEN, Frans e MAIA, Luciano Mariz. Etnohistória dos Índios Potiguaras: ensaios, relatórios e documentos. PR-PB, SEC-PB: João Pessoa, 1992.

MMA/IBAMA, Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Barra do rio Mamanguape e da Área de Relevante Interesse Ecológico Manguezais da Foz do rio Mamanguape. Brasília. 2014.

NAÇÕES UNIDAS. Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. 023. Rio de Janeiro: UNIC, 2008. Disponível em < http://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_pt.pdf>, Acessado em 18/10/2019.

OLIVEIRA, João Pacheco de. A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste Indígena. Rio de Janeiro: LACED, 2004.

OLIVEIRA, João P. de; REIS, Daniel A.; MATTOS, Hebe; MORAES, Luís E. de S.; RIDENTI, Marcelo (Orgs.). Tradições e modernidades. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

PALITOT, Estêvão Martins. Os Potiguara da Baía da Traição e Montemor: história, etnicidade e cultura. Dissertação de mestrado, PPGS/UFPB. 2005.

PINTO, Estevão. Os indígenas do nordeste. 2º Tomo. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

RICARDO, Fany (org.). Terras Indígenas e Unidades de Conservação da Natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

ZHOURI, Andrea e LASCHEFSKI, Klemens Orgs. Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Como Citar
Costa, I. M., de Andrade, M. O., Gonçalves, A. F., & Martinez-Torres, M. E. (2020). TERRA INDÍGENA EM DISPUTA: A RETERRITORIALIZAÇÃO DOS POTIGUARA NA TERRA INDÍGENA POTIGUARA MONTEMOR/PARAÍBA/BRASIL. Cadernos De Estudos Sociais, 35(2). https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.35n.220201893