EDUCAÇÃO ESPECÍFICA E DIFERENCIADA DO POVO XUKURU: UM CAMINHO PARA A DECOLONIALIDADE?

Maria Roseane Cordeiro de Oliveira, Eliene Amorim Almeida

Resumo


Este artigo foi elaborado para conclusão do curso de Especialização em Educação Intercultural no Pensamento Decolonial desenvolvido no Instituto Federal de Educação do campus Floresta, estado de Pernambuco. Teve como objetivo caracterizar a prática pedagógica dos (as) professores(as) Xukuru e relacioná-la com elementos da educação escolar em uma perspectiva Decolonial. Para isso utilizamos os conceitos de Colonialismo, Colonialidade e Decolonialidade (QUIJANO, 2005 e WALSH, 2008; MIGNOLO, 2008) e prática pedagógica (FREIRE, 1996). Para coleta dos dados utilizamos a observação participante, entrevistas e pesquisa documental, para análise dos dados utilizamos as técnicas da análise de conteúdo (MINAYO, 2012). Nossos dados nos fizeram concluir que embora a Educação escolar do povo Xukuru apresente elementos da prática pedagógica que caracteriza uma educação colonial, muitos são os elementos que evidenciam a perspectiva Decolonial

Palavras-chave


Educação Xukuru; Escola Xukuru; Educação Decolonial.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Eliene Amorim. A interculturalidade no currículo da formação de professo-ras e professores indígenas de Pernambuco. Tese de Doutorado (2016) Universidade Fede-ral de Pernambuco (UFPE). Recife/PE.

ALMEIDA, Eliene Amorim(org) Centro De Cultura Luiz Freire, Projeto Xukuru. Xukuru Filhos da Mãe Natureza, uma História de Resistência e Luta. Olinda, Novembro de 1997.

BRASIL, Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil: Texto Consti-tucional promulgado em 05 de outubro de 1988, com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais Nº 1/92 a 67/2010 e pelas Emendas Constitucionais de revisão Nº 1 a 6/94. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2011.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena. Parecer CNE/CEB, Nº 13/2012. Relatora: Rita Gomes do Nascimento. Brasília – DF, 2012.

BRASIL, Presidência da República, Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Disponível em Acesso em: 25 ago, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 37ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MATTOS, L. Primórdios da Educação no Brasil: o período heróico (1549-1570). Rio de Janeiro: Gráfica Aurora, 1958.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica e opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de letras da UFF- Dossiê: literatura, língua, e identidade, Nº 34, p.287- 324, 2008.

MINAYO, M. C. S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 31ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

PAIVA, J. M. Educação Jesuítica no Brasil Colonial. In: VEIGA, C. G. LOPES, E. M. T. FARIA FILHO, L. M. (Org). 500 anos de Educação no Brasil. 3ª Ed. Belo Horizonte: Au-têntica, 2007.

QUIJANO, A. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e Ciências Sociais. 3ªEd. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas no Brasil.3ª Ed. Campinas – SP: Autores Associados, 2011. (Coleção Memória da Educação)

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: lasinsurgencias político-epistémicas de refundar elEstado. In. Revista Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, Nº.9: 131-152, julio-diciembre 2008.

_______ Interculturalidad Crítica y Pedagogia De-colonial: in-surgir, re-existir y re-viver. UMSA, Revista "Entre palabras", Fac. Humanidades y Ciencias de la Educación, No.3 - No.4, La Paz, Bolivia, 2009, p 129-156.




DOI: https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.34n.220191797

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

ISSN:2595-4091

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atribuição (BY): Os licenciados têm o direito de copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados dela, conquanto que deem créditos devidos ao autor ou licenciador, na maneira especificada por estes.