OS CONFLITOS NA RESEX DA PRAINHA DO CANTO VERDE/CE E SUA RELAÇÃO COM O PARQUE EÓLICO PRAIAS DE PARAJURU

Publicado
2020-12-30
Palavras-chave: Políticas Públicas, Conflito socioambiental, Comunidades Tradicionais

    Autores

  • Paulo Torres Junior Universidade Federal do Ceará
  • Maione Rocha de Castro Cardoso Universidade Estadual do Ceará
  • Gil Célio de Castro Cardoso Universidade Federal do Ceará

Resumo

A atuação do Estado brasileiro na busca por um desenvolvimento econômico atrelado ao mercado globalizado vem gerando transformações no espaço ambiental e cultural dos territórios ocupados por comunidades tradicionais. Isso ocorre através da implementação de políticas públicas que incentivam o deslocamento de grandes conglomerados industriais da zona urbana para áreas de uso tradicional, remodelando a dinâmica das populações afetadas. Este artigo tem como objetivo discutir como a intervenção do Estado, através de efetivação de políticas públicas desenvolvimentistas, em territórios ocupados por populações tradicionais, pode gerar conflitos entre os propósitos da política e os interesses dessas comunidades. Para tanto, utilizou-se como estudo de caso a Resex da Prainha do Canto Verde/CE, devido à existência de parque eólico próximo ao seu território. Metodologicamente, as informações são provenientes de pesquisa bibliográfica, documental e através de dados coletados por meio de entrevistas, tendo sido utilizado a análise de conteúdo para tratamento desse material. Seu propósito, portanto, conduz a uma reflexão acerca da participação do Estado brasileiro no processo de geração de conflitos nas comunidades tradicionais, motivados por aspectos econômicos e que alteram o significado dos valores e do patrimônio coletivo das comunidades tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABEEOLICA. Infovento. Disponível em:< http://abeeolica.org.br/wp-content/uploads/2018/07/Infoventopt.pdf> Acesso em 06. Novembro. 2019.

ACSELRAD, H. (org.) Conflitos Ambientais no Brasil. Relume Dumará, RJ, 2004.

ARAUJO, T. B de. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Revan: Fase, 2000.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977

BURSZTIN, M; FONSECA, I.F. A banalização da sustentabilidade: reflexões sobre governança ambiental em escala local. Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 1, p. 17-46, jan./abr. 2009.

CARNEIRO, E. J. Politica ambiental e a ideologia do desenvolvimento sustentável. in Andréa Zhouri, Klemens Laschefski e Doralice Pereira (orgs.), A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais, Belo Horizonte, Autêntica:2005.

CARVALHO, A. M. P de. O Brasil real em questão: um resgaste do olhar crítico de cientistas sociais. Tese (Doutorado). Programa de pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: 1999.

CARVALHO, A. M. P. de; MILANEZ, B.; GUERRA, E. C. Tramas para a justiça ambiental: diálogo de saberes e práxis emancipatórias / organização de Raquel Maria Rigotto, Ada Cristina Pontes Aguiar, Lívia Alves Dias Ribeiro. – Fortaleza: Edições UFC, 2018.

CARVALHO, A. M. P. de; GUERRA, E. C. O Brasil no século XXI nos circuitos da crise do capital: o modelo brasileiro de ajuste no foco da critica. Revista de Políticas, v. 19, n.1, jan./jun. 2015, p. 41-60.

CHAUI, M. Introdução à história da filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6. Ed. São Paulo: Cortez, 2003.

COSTA, N. O. C. Cartografia Social: Instrumentos de luta e resistência no enfrentamento dos problemas socioambientais na Reserva Extrativista Marinha e Continental da Prainha do Canto Verde, Beberibe . Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Fortaleza, 2016.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Breves considerações conceituais e metodológicos sobre o Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil. Rio de Janeiro. Disponível em:< http://mapadeconflitos.ensp.fiocruz.br/?populacao=pescadores-artesanais&uf=se&post_types=conflito. >. Acesso em 02. Novembro. 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. Ed. São Paulo, 2010.

GONÇALVES, R. Desenvolvimento às avessas: verdade, má-fé, ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

LAKATOS, E. M. Ciências sociais e sociologia. 3. Ed. São Paulo: Editora Atlas S.A, 1979.

LEFÈBVRE, H. Lógica Formal, Lógica Dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2001.

LOPES, V. F. M, SMARRA, A. L. S, LOTUFO, C. A. Anais do I Congresso Brasileiro de Geografia Política, Geopolítica e Gestão do Território, 2014. Rio de Janeiro. Porto Alegre: Editora Letra1; Rio de Janeiro: REBRAGEO, 2014, p. 494-506.

LOURENÇO, J. Ceará abre parque eólico em Beberibe. Disponível em: http://eco4planet.com/blog/ceara-abre-parque-eolico-em-beberibe/. Acesso em 10/10/19.

MARTINEZ-ALIER, J. Justiça Ambiental (local e global), Ii: CAVALCANTI, C. (Org). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. Cortez: São Paulo, 1999.

MEIRELES, A. J. A. Danos socioambientais originados pelas usinas eólicas nos campos de dunas do Nordeste brasileiro e critérios para definição de alternativas locacionais. Confins [Online], v . 11, 2011. Posto online em 03 Setembro 2011. Acesso em: 26 Abril 2013. URL: http://confins.revues.org/6970; DOI: 10.4000/confins.6970

MORENO, M. Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento / Gerhard Dilger, Miriam Lang, Jorge Pereira Filho (Orgs.); traduzido por Igor Ojeda. - São Paulo : Fundação Rosa Luxemburgo, 2016.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 3ª ed. Rev. Amp. Petropolis, RJ: Vozes, 2010.

SACHS, J. The age of sustainable development. New York: Columbia University Press, 2015. p. 3.

SACHS, W. Dicionário do desenvolvimento. Guia para conhecimento como poder. Petropólis: Vozes, 2000.

SANTOS, M. et al. O Papel Ativo da Geografia: um manifesto. XII Encontro Nacional de Geógrafos. Florianópolis, 2000.

SECHI, L. Políticas publicas: conceitos, esquemas de analises, caso práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SILVA, T. A. A. O. O mapa de injustiça ambiental e saúde no Brasil e as comunidades rurais de Pernambuco. In: ALMEIDA, J.; GERHARDT, C.; 1216 Saúde Soc. São Paulo, v.24, n.4, p.1208-1216, 2015.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. & PEREIRA, D. “Introdução: desenvolvimento, sustentabilidade e conflitos socioambientais”, in Andréa Zhouri, Klemens Laschefski e Doralice Pereira (orgs.), A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais, Belo Horizonte, Autêntica:2005.

WCED (World Comissiono n Environment and Development). Our common future. New York: Osford University Press, 1987.

Como Citar
Torres Junior, P., Cardoso, M. R. de C., & Cardoso, G. C. de C. (2020). OS CONFLITOS NA RESEX DA PRAINHA DO CANTO VERDE/CE E SUA RELAÇÃO COM O PARQUE EÓLICO PRAIAS DE PARAJURU. Cadernos De Estudos Sociais, 35(2). https://doi.org/10.33148/CES25954091V35n2(2020)1885