QUANDO AS CRIANÇAS SE TORNAM ALUNOS: (RE) PENSANDO OS SUJEITOS DA EDUCAÇÃO NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 (NOVE) ANOS

Autores

  • Juliana Alves De Andrade Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE
  • Humberto Da Silva Miranda Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE

Palavras-chave:

Criança, Aluno, Diretrizes Curriculares, Estado

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar o processo de transformação das crianças e adolescentes em alunos a partir de conjunto de práticas, ideias, dispositivos legais e normas formuladas pelo Estado brasileiro para orientar o planejamento, a articulação, o desenvolvimento e a avaliação das propostas pedagógicas da rede nacional de educação básica. Para tal, buscamos problematizar as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos e a ideia de infância utilizada pelo documento para pensar o ensino e aprendizagem dos alunos no espaço escolar. Nesse sentido, utilizaremos como fonte a Constituição Federal, a LDB, as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica-DCN’s, o PARECER CNE/CEB Nº 7/2010, o Estatuto da Criança e do Adolescente- ECA e as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. E a partir da perspectiva da análise documental, buscaremos elucidar as implicações do debate as culturas infantis no processo de construção dos sujeitos “categorizados” como alunos, procurando refletir como a ideia de criança e de adolescente foi (re)apropriada no discurso produzido pelo Estado, que por sua buscou construir “outra” diretriz para educação, produzindo a ideia de aluno universal. Nossa intenção é explicar como as estratégias pedagógicas de organização do tempo-espaço da escolarização de crianças e adolescentes estabelecidas pelas diretrizes curriculares nacionais se aproximam de uma perspectiva clássica do conceito de infância, e se distanciam dos debates contemporâneos sobre as infâncias. Diante das demandas sociais, políticas e civis estabelecidas pelo povo brasileira em busca de um projeto de educação mais inclusiva, o Estado buscou (re)pensar as diretrizes da educação básica, a partir de importantes marcos legais, e como essa leitura do Estado contribuiu para a continuidade ou mudança na forma de compreender o currículo,  a escola, o ensino, a aprendizagem, os professores, os gestores e os alunos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Alves De Andrade, Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE

Doutora em História pela UFPE. Professora Adjunta da Área de Métodos de Ensino e do Programa de Pós-Graduação (Mestrado Profissional em Ensino de História-UFPE/UFRPE). Atualmente, coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas História, Educação e Culturas-NEPHECs, onde desenvolve desde 2014 projetos de Pesquisas, financiado pelo CNPQ/PIBIC na área da Aprendizagem Histórica de crianças e adolescentes.

Humberto Da Silva Miranda, Universidade Federal Rural de Pernambuco-UFRPE

Doutor em História pela UFPE. Professor Adjunto da Área de Fundamentos, Política e Gestão da Educação na UFRPE. Coordenador do Programa “Escola de Conselhos de Pernambuco”, onde desenvolve projetos de Pesquisa e Extensão, acerca dos direitos das crianças e adolescentes, atuando na liderança do Laboratório de História das Infâncias do Nordeste, integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas História, Educação e Culturas-NEPHECs.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete & RODRIGUES, Tatiane Consentino. Descolonizando As pesquisas com crianças e três obstáculos. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 127, p. 461-474, abr.-jun. 2014. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br.

ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

_______________. Imagens Quebradas: Trajetórias e tempos de alunos e mestres. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

BRASIL. Decreto nº 19.890, de 18 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do ensino secundário. Diário Official, Rio de Janeiro, 1 maio 1931.

______. Decreto nº 21.241, de 4 de abril de 1932. Consolida as disposições sobre a organização do ensino secundário e dá outras providências. Diário Official, Rio de Janeiro, 9 abr. 1932.

Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de abril de 1942. Lei Orgânica do Ensino Secundário.

Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 10 abr. 1942.

______. Lei nº 4.024, 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 dez. 1961.

______. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e as Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 ago. 1971.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CANDAU, Vera Maria (org.). Rumo a uma nova didática. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

CASTRO, Lucia Rabello de. A infância e seus destinos no contemporâneo. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 47-58, jun. 2002.

CORSARO, William. Sociologia da Infância. SP: ARTMED, 2011.

CURY , Carlos Roberto Jamil. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de Pesquisa. no.116 São Paulo: Julho, 2002.

CURY, Carlos Roberto Jamil. A Educação Básica no Brasil. Educ. Soc., set. 2002, vol.23, no.80, p.168-200.

ENGELBERG, Marcel Francis D’ Angio. A invenção cotidiana do aluno: relações de poder, experiências escolares e possibilidades de existência. São Paulo: Dissertação de Mestrado em Educação, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

FREITAS, Marcos Cezar de. História Social da Educação no Brasil (1926-1996). São Paulo: Cortez, 2009.

JÚNIOR, Durval Muniz de Albuquerque. Regimes de Historicidade: Como se alimentar de narrativas temporais através do ensino de história. In: GABRIEL, Carmem Tereza; MONTEIRO, Ana Maria & MARTINS, Marcus Leonardo Bomfim. Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de História. Rio de Janeiro: MAUADX, 2016. p.21-43.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 4.ed. Campinas: Unicamp, 1996.

MASSCHELEIN, Jan & SIMONS, Maarten. A pedagogia, a democracia, a escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MARCHI, Rita de Cássia. As Teorias da Socialização e o Novo para Socialização Paradigma os Estudos e Sociais da Infância. Educação & Realidade, vol. 34, núm. 1, janeiro-abril, 2009, pp. 227-246.

MARCHI, Rita de Cássia. As Teorias da Socialização e o Novo para Socialização Paradigma os Estudos e Sociais da Infância. Educação & Realidade, vol. 34, núm. 1, janeiro-abril, 2009, pp. 227-246.

MEINERZ, Carla Beatriz. História viva: a história que cada aluno constrói. Porto Alegre: Mediação, 2013.

MIRANDA, Humberto da Silva. Nos tempos das Febems: memórias de infâncias perdidas (Pernambuco / 1964-1985). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História. Recife: UFPE, 2014.

MOTTA, Flávia Miller Naethe. De crianças a alunos: a transição da educação infantil para o ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2013.

SANTOS, Boaventura de Souza. AS bifurcações da ordem: revolução, cidade, campo e indignação. São Paulo: Cortez, 2016.

SARMENTO, Manuel Jacinto & MARCHI, Rita de Cássia. Radicalização da infância na segunda modernidade: Para uma Sociologia da Infância crítica. Revista de Sociologia Configurações, Vol. 4 Portugal: 2012.

SCHUCH, Patrice. Práticas de Justiça: antropologia dos modos de governo da infância e da juventude no contexto pós-ECA. Porto Alegre: Edidora do UFRGS, 2009.

Publicado

2018-04-06

Como Citar

De Andrade, J. A., & Miranda, H. D. S. (2018). QUANDO AS CRIANÇAS SE TORNAM ALUNOS: (RE) PENSANDO OS SUJEITOS DA EDUCAÇÃO NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 (NOVE) ANOS. Cadernos De Estudos Sociais, 32(2), 103–124. Recuperado de https://periodicos.fundaj.gov.br/CAD/article/view/1716

Edição

Seção

Artigos - Dossiê Temático - Infância, Educação e Sociedade