A VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE DA CRIANÇA E NEGRA DESDE A EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

Palavras-chave:

Educação Infantil, Relações étnico-raciais, Educação em Direitos Humanos, Identidade negra

Resumo

Nesta pesquisa partimos do conceito de raça, compreendida como uma construção social, política e cultural fruto de relações sociais desiguais de poder, compreendemos a criança como sujeito histórico e de direitos que vai construindo a sua identidade nas interações, relações e práticas cotidianas e recorremos à utilização do conceito de diferença, pois ela tem sido associada, sobretudo, às relações de poder e autoridade que geram desigualdades, bem como, reconhecemos a luta no espaço escolar para o combate a todas as formas de preconceito e discriminação em consonância com a Educação em Direitos Humanos. Nesse contexto, anuímos que desde a Educação Infantil as práticas pedagógicas podem fomentar uma cultura de respeito recíproco e de convivência entre todos os grupos étnico-raciais, como também culturais e religiosos, entre outros. Nesse cenário, este artigo tem como objetivo geral: estimular a valorização da diversidade étnico-racial e como objetivos específicos: conhecer as percepções das crianças sobre a questão racial; valorizar a estética da criança e negra; e, desenvolver práticas de respeito à diferença. Foi desenvolvido numa turma com dezoito crianças de 3 a 4 anos do município de Garanhuns através da pesquisa-ação motivada pelo fato das crianças serem proibidas de utilizarem na escola o cabelo solto. Os dados evidenciaram que o corpo e o cabelo das crianças e negras, seus elementos identitários, não são valorizados no espaço escolar visibilizando a necessidade de que as práticas pedagógicas os reconheçam como tal, bem como, busquem o rompimento com a colonialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcia Regina Silva, Universidade de Pernambuco

Possuo graduação em Pedagogia pela Fundação de Ensino Superior de Olinda (1998), mestrado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2011) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2014). Atualmente sou professora adjunta da Universidade de Pernambuco. Líder do Grupo de Pesquisa: A Cultura da Infância nas Políticas e Práticas Pedagógicas na Educação Infantil". Coordenadora da área de gestão de processos educacionais do PIBID/campus Garanhuns. Tenho experiência na área de Educação, com ênfase em Educação das relações étnico-raciais, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação em Direitos Humanos, educação infantil, diversidade/diferença.

Referências

ALFREDO, Olegário. O Pente Penteia. Belo Horizonte: Penninha Edições, 2015.

AMARAL, Arleandra Cristina Talin. A infância pequena e a construção da identidade étnico-racial na Educação Infantil. 2013. 225 f. Tese (Doutorado em Educação)– Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

BELÉM, Valéria. O cabelo de Lelê. São Paulo: IBEP, 2012.

BICUDO, Virgínia Leone. Atitudes dos alunos dos grupos escolares em relação com a cor dos seus colegas. In: BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. (Orgs.). Relações raciais entre negros e brancos em São Paulo. São Paulo: Anhembi, 1955. p. 227-310.

BISCHOFF, Daniela Lemmertz. Minha cor e a cor do outro: Qual a cor dessa mistura? Olhares sobre a racialidade a partir da pesquisa com crianças na Educação Infantil. 2013. 115 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-Brasileira, e dá outras providências.

________. Lei nº 11.645, de 10 março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF, 10 mar. 2008.

______. Documento final CONAE. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: <http://conae.mec.gov.br/images/stories/pdf/pdf/documetos/documento_final.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2015.

________. Ministério da Educação. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, DF, 2004.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 2009.

______. Parâmetros nacionais de qualidade para a Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2006.

______. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília: MEC; SEB, 2006.

CANDAU, Vera Maria. Educação em direitos humanos: desafios atuais. In: SILVEIRA, Rosa Maria Godoy (Org). Educação em Direitos Humanos: fundamentos teórico-metodológicos. João Pessoa: Universitária/UFPB, 2007. p. 399-411.

______. Multiculturalismo e educação: desafio para a prática pedagógica. In: MOREIRA, Antonio Flávio; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Rio de Janeiro: Vozes, 2011. p. 13-17.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao fracasso escolar: racismo, preconceito e discriminação na Educação Infantil. 1998. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo 1998.

GAIVOTA, Gustavo. Chico Juba. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2011.

GAUDIO, Eduarda Souza. Relações sociais na Educação Infantil: dimensões étnico-raciais, corporais e de gênero. 2013. 242 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

GIL, Carmen. Por que somos de cores diferentes? São Paulo: Manuela Editorial Ltda (Girafinha), 2006.

GODOY, Eliete Aparecida de. A representação étnica por crianças pré-escolares: um estudo de caso a luz da teoria piagetiana. Campinas: São Paulo, 1996.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural. Rev. Bras. Educ. [online]. 2002, n.21, pp. 40- 51. ISSN 1413-2478.

______. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolo da identidade negra. 2° ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GUIZZO, Bianca Salazar. Aquele negrão me chamou de leitão: representações e práticas de embelezamento na Educação Infantil. 2011. 191 f. Tese (Doutorado em Educação)– Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

MACHADO, Liliane Marisa Rodrigues. Pedagogias de racialização em foco: uma pesquisa com crianças da Educação Infantil. 2014. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Pró-reitoria de Pós-graduação, Pesquisa e Inovação, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2014.

MORUZZI, Andrea Braga; ABRAMOWICZ, Anete. INFÂNCIA, RAÇA E CURRÍCULO: alguns apontamentos sobre os documentos brasileiros para educação infantil. Revista Contemporânea de Educação, vol. 10, n. 19, janeiro/junho de 2015.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. In: SISS, Ahyas (Org). Revista do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – PENESB. n. 12. Rio de Janeiro/Niterói: Alternativa, 2010. p. 169-202.

OLIVEIRA, Alessandra Guerra da Silva. Educação das relações étnico-raciais: processos educativos decorrentes do brincar na Educação Infantil. 2015. 138 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

OLIVEIRA, Fabiana de. Um estudo sobre a creche: o que as práticas educativas produzem e revelam sobre a questão racial? 2004.112 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais – CLACSO, 2005.

SANTIAGO, Flávio. O meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado: hierarquização e racialização das crianças pequenininhas negras na Educação Infantil. 2014. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

SILVA, Tarcia Regina da. Criança e negra: o direito à afirmação da identidade negra na Educação Infantil. 2015. 223 f.Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba - Centro de Educação. João Pessoa, Paraíba, 2015.

SILVA JÚNIOR, Hédio. Anotações conceituais e jurídicas sobre Educação Infantil, diversidade e igualdade racial. In: BENTO, Maria Aparecida Silva (Org.). Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, 2012. p. 65-80.

SOUZA, Fernanda de Morais de. Revirando malas: entre histórias de bonecas e de crianças. 2009. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação)– Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

TEODORO, Miguel Aparecido. Guaçuí, ensaio e história: colonização, desenvolvimento e cultura. Guaçuí: agBook, 2014.

TRINIDAD, Cristina Teodoro. Identificação étnico-racial na voz de crianças em espaços de Educação Infantil. 2011. 221 f. Tese (Doutorado em Educação)– Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

WALSH, Catherine. Interculturalidade e (des) colonialidade: perspectivas críticas e políticas. In: CONGRESSO ARIC, 12., 2009, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ARIC 2009.

Publicado

2018-04-06

Como Citar

Silva, T. R. (2018). A VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE DA CRIANÇA E NEGRA DESDE A EDUCAÇÃO INFANTIL. Cadernos De Estudos Sociais, 32(2), 53–75. Recuperado de https://periodicos.fundaj.gov.br/CAD/article/view/1701

Edição

Seção

Artigos - Dossiê Temático - Infância, Educação e Sociedade