Educação e Sustentabilidade: um estudo sobre as representações sociais nos dizeres de assentados do MST, em Viamão-RS.

Josiel da Rosa Moura, Miúcha Severo Gonçalves

Resumo


Este trabalho busca captar como as práticas de sustentabilidade repercutem nas representações sociais dos assentados do Assentamento Filhos de Sepé, na cidade de Viamão-RS. A metodologia utilizada para a investigação fundou-se nos princípios da pesquisa etnográfica, através da observação e entrevistas semi-estruturada. O fluxo de dados, pautado nas representações sociais, nos estudos de Magnani (1997), indicou a conquista da terra, o trabalho como forma de vida sustentável e a educação em movimento, como as três categorias de análise de maior significação. Ficou evidenciado que as noções de sustentabilidade fundamentam-se na memória de lutas no espaço coletivo, desenhando o indivíduo forjando histórias e enunciando a trama para a conquista da terra. Nesse contexto, a educação fundamentada nos princípios desse processo histórico e com base nas vivências, de forma reflexiva e crítica, passa a ser essencial.


Palavras-chave


Representações Sociais; Educação e Sustentabilidade; MST

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. O privilegio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0 466_12_12_2012.html.

BONAMIGO, Carlos Antônio. O trabalho cooperativo como princípio educativo: A trajetória de uma Cooperativa de Produção Agropecuária do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Dissertação (Mestrado) – FACED, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

CALDART, Roseli Salete. A pedagogia do Movimento Sem Terra é mais que escola. Petrópolis: Vozes, 2000.

________. O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo. Estudos Avançados, vol. 15, n43 São Paulo sept/2001. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_Arttex&pid=s0103-0142001000300016

DIEL, R. Gerenciamento de Recursos Hídricos: um estudo de caso no assentamento Filhos de Sepé, Viamão (RS). Dissertação (Mestrado) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

FISCHER, Maria Clara Bueno; TIRIBA, Lia. Aprender e ensinar à autogestão: espaços/tempos do trabalho de produzir a vida associativamente. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 2, p. 527-551, maio/ago. 2013.

GADOTTI, Moacir. Educar para a sustentabilidade. Inclusão Social, Brasília, v. 3, n. 1, p. 75-78, out. 2007/mar. 2008.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais e Educação. – 5.ed. – São Paulo: Cortez, 2001.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo : Cortez, 2012.

_________. Teoria Social e Questão Ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, C. B. F; LAYRARGUES, P. P.; (Org.). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 4ª Ed. São Paulo:Cortez, 2006. p. 13- 51.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Discurso e representação, ou de como os baloma de kirwina podem reencarnar-se nas atuais pesquisas. In: CARDOSO, Ruth. A Aventura Antropológica. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

MÉZÁROS, Istevám. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MST. MST Lutas e Conquistas. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra: São Paulo, 2010.

________. Escola Itinerante em acampamentos do MST. Estudos Avançados, vol. 15, n 42 São Paulo May/Aug 2001. Disponível em: www.scielo.br/scielo.php?pid= s0103-40142001000200011&script=svi arttext.

NODARI, Rubens Onofre; GUERRA, Miguel Pedro. A agroecologia: estratégias de pesquisa e valores. Estudos avançados 29 (83), 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v29n83/0103-4014-ea-29-83-00183.pdf.

OLIVEIRA, Izes Regina; MILIOLI, Geraldo. A urbanização e os desafios conceituais do ecossistema: uma contribuição à aplicabilidade do desenvolvimento sustentável para o município de Criciúma, Santa Catarina, Brasil. Territórios, n. 29, 2013.

RANIERI, Jesus. Alienação e estranhamento: a atualidade de Marx na crítica contemporânea do capital. Conferencia Internacional La Obra de Carlos Marx y los desafíos del Siglo XXI. 2014.

SEMA/RS. Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 29 de Setembro de 2013.

SACHS, Ignacy: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. In: STROH, Paula Yone (Org.). Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANTOS, Flávio Reis; SILVA, Adriana Maria. A importância da educação ambiental para graduandos da Universidade Estadual de Goiás: Campus Morrinhos. INTERAÇÕES, Campo Grande, MS, v. 18, n. 2, p. 71-85, abr./jun. 2017.

VIEIRA, Ima Célia Guimarães. Abordagens e desafios no uso de indicadores de sustentabilidade no contexto amazônico. Cienc. Cult. vol.71 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2019

SAKAMOTO, Camila Strobl; NASCIMENTO, Carlos Alves; MAIA, Alexandre Gori. As Famílias Pluriativas e Não Agrícolas no Rural Brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. RESR, Piracicaba-SP, Vol. 54, Nº 03, p. 561-582, Jul/Set 2016 – Impressa em Setembro de 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/resr/v54n3/1806-9479-resr-54-03-00561.pdf.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

ISSN:2595-4091

 

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atribuição (BY): Os licenciados têm o direito de copiar, distribuir, exibir e executar a obra e fazer trabalhos derivados dela, conquanto que deem créditos devidos ao autor ou licenciador, na maneira especificada por estes.