IMIGRANTES AFRICANOS, MULHERES BRASILEIRAS E LGBTTI’S NA CIDADE DE FORTALEZA-CE

Ercilio Neves Brandão Langa

Resumo


Este artigo aborda as relações afetivas entre imigrantes africanos, mulheres brasileiras e o segmento de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transgêneros e intergêneros (LGBTTI’s) na cidade turística de Fortaleza-CE, no nordeste do Brasil. A partir da observação etnográfica com recursos a entrevistas e conversas informais com africanos oriundos de países falantes da língua portuguesa e cidadãos brasileiros de ambos os sexos que assumem distintas identidades de gênero, analiso a troca de olhares entre estes atores. As relações entre imigrantes africano(a)s e brasileiro(a)s de distintas orientações sexuais e de gênero são marcadas pela discriminação racial, dependência econômica e ambivalência, onde a sexualidade se revela espaço de descoberta e de redefinição de identidades. No cotidiano, os encontros entre os três grupos são marcados por curiosidades e atitudes discriminatórias. Bares e discotecas LGBTTI´s, bem como festas africanas configuram espaços onde acontecem as interações afetivossexuais envolvendo, particularmente, mulheres brasileiras e imigrantes africanos. As interações entre africanos e homossexuais brasileiros revelam-se ambíguas e nunca publicamente assumidas, envolvendo trocas materiais e simbólicas. Tais interações revelam-se momentos liminares e negociações identitárias, dominados por representações relativas às performances sexuais, onde os atores se esforçam para caber nos estereótipos existentes acerca da sexualidade. Entretanto, os encontros também são marcados por choques e tensões culturais, representando um desafio às relações de gênero e dominação, a repensar as teorias que representam o homem como algoz e a mulher como vítima.

Palavras-chave


Sexualidade; imigrantes africanos; mulheres brasileiras, LGBTTI’s

Texto completo:

PDF PARA IMPRESSÃO

Referências


APPADURAI, Arjun. Dimensões Culturais da Globalização: a modernidade sem peias. Tradução de Telma Costa. Lisboa: Teorema, 2004.

BERQUÓ, Elza. Nupcialidade na População Negra no Brasil. Campinas: Nepo-Unicamp, 1987.

BESERRA, Bernadette. Sob a Sombra de Carmen Miranda e do Carnaval: brasileiras em Los Angeles. Cadernos Pagu (28), jan-jun, 2007, pp. 313-344.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CASTRO, Mary. Migrações Internacionais e direitos humanos e o aporte do reconhecimento. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, ano XVI, n. 31, 2008. p.7-36.

CURY, Augusto. A Ditadura da Beleza: e a revolução das mulheres. 2ª ed. São Paulo: Arqueiro, 2011.

FURLANI, Jimena. Mitos e Tabus da Sexualidade Humana: subsídios ao trabalho em educação sexual. 3ª ed. 1ª reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

AUTOR,. Diáspora Africana no Ceará: representações sobre as festas e as interações afetivossexuais de estudantes africanos(as) em Fortaleza. In: Revista Lusófona de Estudos Culturais, v. 2, n.1, Ano, p. 102-122.

MAGNANI, Guilherme. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, n. 49, 2002, p. 11-30.

________. Os Circuitos dos Jovens Urbanos. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 17, n.2, nov. 2005 p. 173-205.

PACHECO, Ana. Raça, Gênero e relações sexual-afetivas na Produção bibliográfica nas Ciências Sociais Brasileiras: um diálogo com o tema. Afro-Ásia, n. 34, 2006, p. 153-188.

________. “Branca para casar, mulata para f... e negra para trabalhar”: escolhas afetivas e significados de solidão entre mulheres negras em Salvador, Bahia. 2008. 317p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas, SP.

PEREIRA, E.; RODRIGUES, V. Amor não tem Cor?! Gênero e Raça/Cor na Seletividade afetiva de homens e mulheres negros (as) na Bahia e no Rio Grande do Sul. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, v. 1, n. 2, jul./out. 2010, p. 157-181.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Revista Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul./dez. 2008. p. 263-274.

________ et al. Introdução: transitando através de fronteiras. In:________ (Orgs). Gênero, sexo, amor e dinheiro: mobilidades transnacionais envolvendo o Brasil. Campinas/São Paulo: UNICAMP/PAGU, 2011. p. 5-30.

SAID, Edward. Orientalismo: o oriente como invenção do Ocidente. 2ª reimp. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

SOUZA, Claudete. A Solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo. 2008, 174p. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Pontífica Universidade Católica de São Paulo, SP.

TURNER, Victor. O Processo Ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1974.

URREA GIRALDO, Fernando. Contribuições de estudo pós-coloniais, da sociologia comparada da família e da sexualidade ao estudo das masculinidades subalternas (negras, indígenas, mestiças) na América Latina. In: MENEZES, J.; CASTRO, M. (Orgs.) Família, População, Sexo e Poder: entre saberes e polêmicas. São Paulo: Paulinas, 2009. Cap. 4, p. 97-126.




DOI: https://doi.org/10.33148/CES2595-4091v.33n.220181750

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:2595-4091

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.