VIVER DE MÚSICA: EMPREENDEDORISMO CULTURAL E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

Amanda Coutinho Cerqueira

Resumo


Esse artigo é parte de uma tese de doutorado que analisa as condições de trabalho na indústria cultural, por meio de entrevistas com 22 músicos independentes. Olhar para a categoria profissional dos músicos pela ótica da sociologia do trabalho colabora para descortinar a realidade de uma categoria pouco estudada no Brasil: a do artista trabalhador empresário de si mesmo. Trata-se de não somente considerar a atividade artística como profissão, mas também enquanto expressão paradigmática das transformações do mercado de trabalho atual. Para entender “como viver de música” e seus significados no mundo trabalho, esse artigo aborda o engendramento de comportamentos e práticas ditas empreendedoras, presentes nos discursos dos músicos entrevistados, e suas relações com as facetas da precarização. Compreender as especificações que permitem desenhar as morfologias do músico independente colabora para o debate teórico do trabalho artístico e das políticas públicas da cultura e da comunicação, em suas articulações fundamentais. 


Palavras-chave


Trabalho artístico; Música; Mercado cultural; Política cultural; Precarização.

Texto completo:

PDF INPRESS

Referências


CHINA. Fora do eixo e longe de mim. Blog pessoal do músico, 04 nov. 2012. Disponível em < https://goo.gl/L3dqG > Acesso em 13 nov. 2012.

CERQUEIRA, Amanda P. Coutinho. Músicos independentes: um conceito em discussão na cena da música brasileira. Is Working Papers, 3. série, n. 5, Porto, dez. 2015. Disponível em: .

COUTINHO, Amanda. Dentro do Eixo: que perguntas fazer? Carta Maior: O protal da esquerda. [recuso online] 28 ago. 2013. Dispinível em: .

IBGE. Sistema de Informações e Indicadores Culturais, 2007-2010. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em < https://goo.gl/3I18LY > Acesso em 12 jan. 2015.

LIMEIRA, Tania Maria Vidigal. Empreendedor Cultural: Perfil e Formação Profissional. Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 4., 208, Salvador. Anais... UFBA: Salvador, 2008. Disponível em: Acesso em 2 out. 2016.

MARCONDES, Lula. Realidade do maracatu rural para além do marketing cultural. Revista Outros Críticos, 9/3/2015. Disponível em < https://goo.gl/U9CVDn > Acesso em 21 out. 2016.

MIRANDA, Priscila. Insatisfeitos com atraso de cachês, artistas criam polêmica no carnaval. G1 PE, [recurso online], 10 jan. 2013. Disponível em: .

ITAÚ CULTURAL, Centro de Memória, Documentação e Referência. Mapeamentos dos cursos de gestão e produção cultural no Brasil: 1995-2005. Itaú Cultural, 2016 Disponível em < https://goo.gl/j29Pmv > Acesso em 6 nov. 2016.

SÃO PAULO (Cidade). Contratações da Virada Cultural 2016. Portal da transparência. Disponível em < https://goo.gl/Dxs5Yk > Acesso em 21 out. 2016.

SALAZAR, Leonardo. Música LTDA: o negócio da música para empreendedores. Recife: Sebrae-PE, 2015.

TRIBUNA DE CONTAS DO ESTADO PERNAMBUCO (TCE). Primeira Câmara do TCE julga irregular Auditoria feita na Fundarpe. Pernambuco, 2011. Disponível em.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Autor, concedendo à revista o direito de primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:2595-4091

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.