Topo: NOVA CHAMADA ABERTA

NOVA CHAMADA PARA DOSSIÊ TEMÁTICO: "MIGRAÇÕES EM PAÍSES LUSÓFONOS"

Editores convidados: Wilson Fusco (FUNDAJ), Morvan de Mello Moreira (FUNDAJ), Ricardo Ojima (UFRN), Jorge Malheiros (CEG-IGOT ULisboa), João Peixoto (ISEG ULisboa).

 

A revista Cadernos de Estudos Sociais tem o prazer de convidar a comunidade científica para submeter manuscritos para uma edição especial no segundo número de 2018. Nesse número será publicado o dossiê "Migrações em países lusófonos".

As migrações têm sido um fenômeno de grande relevância na dinâmica populacional dos países lusófonos. Razões econômicas, políticas e culturais têm sido elementos importantes na elaboração de cenários e na fundamentação analítica desses movimentos.

A respeito, particularmente, de Brasil e Portugal, as trocas migratórias entre os dois países têm raízes históricas e continuam a estimular a produção de estudos teóricos e empíricos para sua compreensão mais ampla e aprofundada. Desde o processo de colonização até os recentes acordos bilaterais, brasileiros e portugueses têm ingressado em fluxos nas duas direções, com mais ou menos peso em cada uma a depender do período em foco.

Além dos movimentos que conectam Brasil e Portugal, outras origens e destinos marcam trajetórias que envolvem cada um deles. No Brasil, a imigração a partir de outros países europeus e asiáticos foi importante na composição da população, principalmente no Centro-Sul do país, até meados do Século XX. Mais recentemente, a emigração de brasileiros para os Estados Unidos, Japão e Paraguai, além de países europeus, contemplados os respectivos retornos, renovou o interesse dos estudiosos sobre o tema. Portugal, por sua vez, tem lugar central na imigração dos países lusófonos, com exceção de Moçambique, funcionando também em vários momentos históricos como espaço de partida de migrantes que demandaram Moçambique ou Angola. Nos últimos anos, a emigração de portugueses, que tem os países europeus como destinos principais, tem-se também dirigido para outros locais, de novo com recente destaque, por exemplo, para Angola.

As migrações internas são outro tema de destaque, guardadas as diferenças de escala entre os dois países. Ciclos econômicos, industrialização e urbanização apresentam estreita relação com a redistribuição populacional no Brasil e em Portugal. Atualmente, as migrações de retorno e a crescente importância das cidades médias como destino conformam e transformam o cenário de deslocamentos, sobretudo no Brasil.

Espera-se a incorporação de problemáticas novas ou em renovação (e.g. refugiados no Brasil, nova imigração brasileira em Portugal, imigração altamente qualificada e de reformados (aposentados), migração de estudantes, migrações temporárias e de muito curta duração), assim como a atualização de aportes teórico-metodológicos e de fontes de dados.

Em que pese a maior referência às migrações no Brasil e Portugal, os editores estimulam com igual intensidade a submissão de estudos sobre todos os países lusófonos.

Os artigos enviados para esse dossiê devem seguir as normas da revista e serem submetidos diretamente até 18 de junho de 2018 para seguir o processo de avaliação ordinária da revista. As informações referentes às normas e aos procedimentos de avaliação encontram-se no site (http://https://periodicos.fundaj.gov.br/CAD).