134 - Um tipo singular de desemprego massivo: O caso dos flagelados das secas do semi-árido nordestino

Renato Duarte

Resumo


O Nordeste brasileiro caracteriza-se por apresentar grande heterogeneidade nos aspectos geoeconômicos. Historicamente, o meio físico teve forte influência na ocupação demográfica e econômica do território daquela região. A irregularidade pluviométrica, a diversidade edáfica e a estrutura fundiária encontram-se entre os fatores que mais decisivamente influenciaram os tipos e a localização das atividades econômicas ali praticadas (ANDRADE, 1963: 3-47). Cerca de metade do chamado Nordeste da SUDENE, cuja área é de 1.760.661 km2 (SUDENE, 1988: 8), tem características típicas das zonas semi-áridas. Desde os primórdios da ocupação humana da região, há registros de que a zona semi-árida do Nordeste é submetida episodicamente à catástrofe natural representada por prolongadas estiagens. Aquele desastre natural - o único, entre os que atingem o Brasil, a se converter em calamidade pública, em intervalos de tempo mais ou menos regulares - assume graves proporções devido à incapacidade da sua população de se prevenir para o enfrentamento do próximo e inevitável desastre (DUQUE, 1973: 33). Essa incapacidade tem causas diversas, que se materializam na pobreza da maioria dos seus habitantes. Devido à prática secular da agricultura de subsistência em condições físico- climáticas adversas como as do semi-árido nordestino, a da seca dizima as colhe.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.